Seguidores

Versículo do Momento

LEIA A BÍBLIA

terça-feira, agosto 13, 2013

MENSAGEM QUE PREGUEI: " PORQUE O AZEITE PAROU? "




  EDIFICAÇÃO
 







No quarto capítulo do segundo livro dos Reis conta-se a história de uma mulher. Era uma viúva. Seu falecido esposo havia lhe deixado dois filhos. Na antiguidade o esposo era a única fonte de sustento de uma família e a morte de seu esposo significava também sérias dificuldades financeiras. Nem sempre elas eram aceitas de volta à casa paterna. Muitas viúvas roubadas, enganadas muitas vezes eram levadas à mendicância e, em situações extremas, à prostituição. Além dos dois filhos ela também herdou dívidas. Dívidas que não podia pagar.
=

O desespero tomou conta do coração da mulher. Os credores impacientes cobravam a dívida e, sabendo da falta de recursos, resolveram tomar-lhe os filhos para serem vendidos como escravos e assim receberem o seu dinheiro.

Vender os filhos dos devedores para serem escravos era uma prática comum. Mesmo as crianças.
=

Um escravo não tinha direito a nada. Era um simples objeto a servir para satisfazer os desejos do seu dono. Não eram raras as notícias de crianças escravas sendo presas, espancadas e torturadas.
=

Este parecia ser o destino irreversível dos filhos daquela viúva. Com dificuldades até mesmo para conseguir o sustento diário, como fazer para ganhar o dinheiro para pagar a dívida? Como salvar seus filhos de tão cruel destino?
=

Havia naquela época uma escola de profetas que foi instituída por Samuel e seu esposo era um dos discípulos dos profetas. O Targun, coletânea de tradições judaicas, dizia que o homem falecido era na verdade Obadias, um valoroso homem, administrador da casa do rei Acabe, que havia protegido e alimentado cem profetas que eram perseguidos pela cruel Jezabel. De qualquer forma, o texto deixa claro que Eliseu conhecia o caráter daquele homem. Por isso aquela mulher foi ter com ele.
=

Ao chegar à presença do profeta, ela relatou sua triste história e sua necessidade. Inicialmente, Eliseu, que era o líder daquele grupo de profetas, buscou a solução mais pragmática: Quais seriam as posses que aquela mulher tinha para vender e deste modo pagar a dívida. A resposta dela era preocupante, a única coisa de valor que possuía era uma botija, cerca de cinco litros, de azeite.
=

O azeite era a coisa mais valiosa que ela tinha em casa. Ele era usado como alimento, cosmético, para ungir os mortos, como medicamento, para honrar os hóspedes, para iluminação. Devido às suas múltiplas utilidades o azeite era um bem extremamente precioso. Era um dos principais artigos para comércio, juntamente com o vinho e os cereais. Mas aquela quantidade que a viúva possuía era suficiente apenas para seu uso particular e, de forma alguma, chegaria perto do valor da dívida para livrar seus filhos.

Não havia saída, não havia escapatória, não havia alternativa. A derrota parecia inevitável. Mas é neste momento onde os recursos humanos parecem esgotados, quando as forças se esvaem, quando a vitória parece impossível, é aí que entra a mão forte do Senhor!
=

Eliseu profetizou o caminho da vitória. Que a viúva juntasse, que tomasse emprestado, não poucas vasilhas, e após isto se trancasse em sua casa e derramasse o azeite, o valioso óleo, nas vasilhas vazias. E assim a viúva o fez, ela derramou o conteúdo da botija em uma das vasilhas e, para sua surpresa, a botija continuava cheia! Encheu a segunda vasilha, a terceira, a quarta… Encheu todas as vasilhas, até a última, até que acabando as vasilhas acabou também o azeite de correr.
=

O profeta então a orientou para que vendesse o azeite e que ela e seus filhos passassem a viver do negócio. A mulher sem futuro tornou-se uma empresária! Agora não tinha condições apenas para pagar a dívida, mas também havia o suficiente para viver com dignidade. O Deus do impossível estendeu a sua mão forte e intercedeu pelos seus queridos mais uma vez!
=

Mas uma coisa em especial me chama a atenção nesta história. Há um momento, enquanto a viúva derramava o conteúdo da botija nas vasilhas, que ao terminar de encher uma vasilha ela pede a um dos filhos que lhe traga outra para encher, mas não haviam mais vasilhas. É aí que cessa a ação sobrenatural de Deus.
=

Você já parou para imaginar se esta viúva separasse apenas dez, ou cinco, ou uma vasilha? Como ficaria seu coração ao perceber que não foi suficientemente determinada em crer na promessa?
=

As vasilhas representavam a quantidade de fé que a mulher tinha de que Deus cumpriria a palavra do profeta. Pouca fé significaria poucas vasilhas e também representariam poucas bênçãos.
=

Via de regra é assim também em nossas vidas. Deus deseja ardentemente abençoar e para ele nada é impossível, mas a falta de fé limita o Seu agir.  Muitos propagandeiam a sua crença inabalável, mas a verdade é que a sua fé é apenas teórica, é fincada em palavras e no suposto poder do pensamento e da vontade. Prostrados num sofá, esperam apenas cumprir algum ritual em que o esforço seja mínimo, sem buscar uma mudança de vida e de visão de mundo, sem expressar nenhuma atitude prática de quem verdadeiramente crê.
=

Não adiantava àquela viúva apenas crer, como se crê nos dias de hoje, era necessário sair do seu lugar, incomodar a sua vizinhança, buscar diligentemente cada vasilha que pudesse estar disponível, usar a criatividade, improvisar se necessário fosse. A vida daquela viúva dependia da quantidade de vasilhas que ela pudesse juntar, assim como a sua vida, caro leitor, depende do quanto você está disposto a sair do seu lugar e mudar a sua história crendo que o Deus que prometeu é fiel para cumprir.
=

A mulher só tinha duas opções: A primeira seria se trancar em casa e lamentar seu destino, a perda dos filhos que seriam escravizados, a vida de tristeza, derrota, mendicância, rejeição e miséria a que estava condenada. Ou poderia ousar crer na promessa de Deus e cumprir aquilo que Ele requeria para alcançar a vitória.

Ela escolheu a segunda opção. E você, qual a sua escolha?

Quantas vasilhas você tem disponível?


 


Holdings - Tel Aviv - Jafra - Israel 
O Blog - " A Serviço do Senhor "
Diác. Rilvan Stutz - "O Servo cm Cristo"
Catedral Presbiteriana do Rio de Janeiro
GospelPrime - Pr. Denilson Torres
 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja bem vindo, obrigado e volte mais vezes...

Rádio Rei dos Reis