Seguidores

Versículo do Momento

LEIA A BÍBLIA

quinta-feira, outubro 08, 2009

FARINHA DA CASCA DO MARACUJÁ E DIABETES

CUIDANDO DA SAÚDE

Já faz quatro anos que a auxiliar administrativa Yvette Monteiro, toma remédio diariamente por causa da diabete. A taxa de açúcar no sangue já chegou a 362, considerada um risco. O normal é entre 90 e 110. Com a taxa alta, os sintomas são imediatos. "Coceira nos olhos, muita sede, vontade de urinar e muita fome", ela conta.
=
Para controlar a glicose, dona Yvette precisou trocar os doces, sorvetes e salgadinhos por pratos mais saudáveis. "Muita alfacinha, muita cebola, muito tomate, pimentão. Não posso misturar no mesmo dia macarrão, arroz e batata", ressalta dona Yvette. "Nunca experimentei remédios naturais, mas gostaria. Não custa nada, para eu poder comer um pedacinho de pudim, um sorvete", comentou. Se era isso que dona Yvette queria, já tem.
=
Ela foi uma das primeiras a testar um produto natural, a farinha de maracujá, criada para controlar a taxa de açúcar no sangue. Um teste rápido mostrou que a taxa de glicose estava alta. Mesmo com remédios e cuidados: 175. O quadro é perfeito para a farinha de maracujá. A casca da fruta, que normalmente é jogada fora, na Faculdade de Nutrição da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), é material nobre. Ela é rica em uma substância chamada pectina.
=
"A pectina é uma fração de fibra solúvel. No nosso organismo ela forma um gel. No caso da diabete, ela dificulta a absorção de carboidratos de uma maneira geral, inclusive da glicose", revela pesquisador em alimentos da UFRJ. A farinha já foi testada em ratos, com bons resultados. O preparo é no laboratório. Depois de lavar e retirar toda a polpa e a semente, a casca é cortada e levada ao forno para torrar.
=
A casca de maracujá é triturada e peneirada. Estava pronta a farinha que dona Yvette ia levar pra casa. O professor ensina como a farinha deve ser usada. "Durante as refeições. No café da manhã, almoço, jantar, pode-se colocar uma ou duas colheres de sobremesa no leite ou no suco e beber". Em casa, dona Yvette cumpriu à risca. Durante quatro dias, três vezes por dia tomou a farinha de maracujá. O teste de sangue mostrou que a taxa baixou de 175 para 148. Um resultado comemorado por ela. "Nunca tinha chegado a esta taxa depois que descobri a diabete", ela diz.
=
"Vou incorporar a farinha de maracujá a minha alimentação", anuncia dona Yvette. Para o pesquisador, a queda na taxa de glicose mostra que a farinha de maracujá cumpriu o seu papel. Mas alerta que ela não cura a diabete. "Se parar de usar, a taxa volta a ficar como era", ressalta.




Holdings. Tel – Aviv – Jafra - Israel
Artigo Shvoong - Saudenarede
Diác. Rilvan Stutz – Membro Shvoong

Catedral Presbiteriana do Rio de Janeiro