Seguidores

Versículo do Momento

LEIA A BÍBLIA

segunda-feira, agosto 04, 2008

RIMONABANTO: O COMPRIMIDO ANTIBARRIGA

Cuidando da Saúde

O rimonabanto ou Acomplia já pode ser comercializado no Brasil- deverá estar nas farmácias no próximo mes de julho ou agosto - e isto ocorre em meio a enorme expectativa, pois é um medicamento que conquistou fama não só por proporcionar perda de peso, mas, principalmente, pelo sua ação sobre a gordura abdominal, esta associada a um aumento nos índices de infartos, derrames e alguns tipos de câncer.

Pacientes em tratamento com o remédio (comercializado na Europa desde julho de 2006) registraram em um ano, uma redução na medida da cintura de, em média, 8,5 centímetros. O preço ainda não está definido para o mercado brasileiro, mas ao comparar com os vendidos na Europa, cuja caixa com 29 comprimidos custa 190 euros, deverá chegar no Brasil por cerca de 520 reais. O rimonabanto melhora vários indicadores de risco cardiovascular, pois baixa os triglicérides, aumenta as taxas de HDL, o colesterol bom e melhora o controle da diabetes.

Em contrapartida, apresenta efeitos colaterais, sendo o principal o enjôo, mas também foram registrados casos de diarréia, tontura, vômito, depressão, ansiedade, insônia, entre outras reações adversas. O rimonabanto é o primeiro representante de nova classe de medicamentos antiobesidade cuja atuação consiste em inibir o sistema endocanabinóide. Este sistema, presente em vários órgãos e tecidos do corpo humano, é uma espécie de maestro do metabolismo que controla o apetite, a produção de colesterol, o acúmulo e a queima de gordura.

A formulação de um medicamento que atua sobre ele é um passo importante, mas não resolve sozinho o problema do excesso de peso, pois a obesidade envolve diversos fatores que variam de uma pessoa para outra e por isso a tendência é que o tratamento medicamentoso da obesidade seja feito com associações de remédios, segundo o endocrinologista Alfredo Halpem, chefe do grupo de obesidade do Hospital das Clínicas de São Paulo. Logicamente, a combinação com dieta e exercício continua indispensável, não importa o remédio que se tome.

FONTE SHVOONG

Por Rilvan Stutz

Rádio Rei dos Reis