Seguidores

Versículo do Momento

LEIA A BÍBLIA

sábado, março 17, 2012

PAIS EXEMPLARES: A PRIMEIRA CONDIÇÃO PARA EDUCAR CORRETAMENTE

=EDUCAÇÃO







================================Rede de Divulgação


Puxa, que título: “Pais exemplares”.
Quantas vezes não escutamos que um exemplo é melhor que mil palavras, ou que as crianças observam tudo. O que eu mais queria era ser uma mãe exemplar!
=
Para mim, ter me tornado mãe significa que apenas sou mãe, mas daí a ser “exemplar” há uma grande distância. Eu sou apenas uma mãe honesta e comum como outras mães.
=
Mas convenhamos que não seja a única. Olho os casais amigos e sei que é boa gente, mas isso de “pais exemplares”... São mais “pais para uso interno".
=
Claro que Tomás Melendo não dá nenhum “exemplo de pais exemplares”. Será que existem? Só se refere ao exemplo de cada um para com seus filhos. Certo que ser pais exemplares não é serm pais “tecnicamente perfeitos”. Deve ser algo ao alcance de qualquer pai. Conhecendo Tomás Melendo, não estranharia.
=
Vou continuar lendo... Muito boas as citações. Gostei desta que diz que a justiça sem misericórdia se converte em crueldade, ou, também, que o que forma o caráter de um menino ou de uma menina é o que aprenderam a amar e admirar desde pequenos. Dá o que pensar.
=
Estou na metade e ainda não sei como me converter em mãe exemplar. Agora encontro umas idéias que nós, pais para uso interno, aplicamos sem saber que estamos nos convertendo em “exemplares”. Ou seja, parece que não é tão difícil.
O ponto 4 se intitula assim: “Para ser pais exemplares”. E, aqui está, não é nada pomposo nem espetacular. Até parece fácil e, no meu caso em particular, vou fazer mais de uma pessoa feliz. Genial!
=
Pais exemplares... Por amor.
Vimos no artigo anterior que o amor é a base de toda educação. Pretendo considerar a partir de agora alguns dos princípios que exemplificam e torna acessível este fundamento. O primeiro deles: o poder do exemplo.
=
1 - “Primum vivere...”: a vida ensina mais do que qualquer teoria.
As crianças tendem a imitar as atitudes dos adultos, em especial dos que amam ou admiram. Concretamente, jamais perdem de vista os pais, observam-nos continuamente, sobretudo nos primeiros anos. Enxergam também quando não olham e escutam inclusive quando estão ou parecem estar muito ocupados brincando. Possuem uma espécie de radar que intercepta todos os atos e palavras ao seu redor.
=
Por isso, como escreveu Javier Salinas, educar não consiste em acumular conhecimentos, mas sim em ajudar no desenvolvimento harmonioso de todas as dimensões que constituem uma pessoa. E isso pressupõe, sobretudo, a presença eficaz de autênticos educadores: de alguém a quem imitar, alguém com quem se confrontar e que, por seu modo de viver, ofereça estímulos para alcançar a meta da educação, que é o exercício da liberdade e a vontade de se comprometer com aquilo que é bom, nobre e justo.
=
Ao que acrescenta imediatamente: “Por outro lado, não se deve esquecer que a educação é fundamentalmente imitação, conhecimento de valores e repetição daquelas formas de comportamento que fazem excelente a pessoa”.
Afirmação que se aproxima bastante do que afirmava John Stuart Mill: “O que forma o caráter não é o que um menino ou uma menina podem repetir de memória, mas o que eles aprenderam a amar e admirar”.
=
Por isso os pais educam ou deseducam, antes de tudo, com seu exemplo e, muito particularmente, com a orientação que imprimem ao conjunto de sua existência, ou seja, em última instância,
=
a) ou o amor próprio.
b) ou o amor a Deus e, em Deus e por Deus, a todos os demais.
=
2. Coerência eficaz.
Além disso, o exemplo possui um insubstituível valor pedagógico, de incitação, de confirmação e de ânimo:
a) Não há melhor modo de ensinar uma criança a se atirar na água do que fazer isso junto com ela, ou, antes dela.
=
b) E, da mesma forma, ensinar a comer de tudo, pôr e tirar a mesa, lavar os pratos, pôr o quarto em ordem para que fique mais agradável para todos, ir ao supermercado...
=
c) Manter no lar uma atitude adequada, no seu modo de vestir e no falar, por exemplo, para também tornar mais agradável a vida dos outros, que irão desfrutar de nosso bom aspecto e disposição.
=
d) Controlar os aborrecimentos e as raivinhas, a não despejar seu mau-humor sobre o primeiro que encontrar no caminho, estar mais interessado em seus irmãos do que em si mesmo, etc.
=
Tudo isso as crianças aprendem desde muito pequenas, observando o modo como os pais se tratam entre si e, conseqüentemente, o modo como tratam os outros, incluindo eles mesmos (os filhos). E segundo o que virem, adotará um modo de vida ou outro: não só, nem principalmente com seus pais, mas com todos aqueles com quem se relacionem e, muito particularmente, com seus irmãos mais próximos.
=
Por isso, o teste definitivo da marcha de um lar não é o que um filho esteja disposto a fazer por seus pais - normalmente, se a família funciona, muito ou tudo ou quase tudo - , mas o que cada irmão é capaz de fazer pelos outros, especialmente quando a tarefa em questão deveria ser feita por outro de seus irmãos.
=
As palavras voam, mas o exemplo permanece, ilumina as condutas, desperta... E arrasta.
=
3. Ou ineficácia, ou até mesmo prejuízo
No extremo oposto, junto com a falta de amor recíproco - esposo-esposa -., a incongruência entre o que se aconselha e o que se vive é o maior mal que um pai ou uma mãe pode infligir a seus filhos.
=
Coisa que ocorre, sobretudo em determinadas idades – a adolescência, sem dúvida, mas também alguns anos antes -, quando o sentido de “justiça” está rigidamente arraigado nas crianças, super desenvolvido... E disposto a julgar com excessiva dureza os outros.
=
Dá espanto ver até que extremos pode ser feroz e desapiedado o juízo de uma criança! E, não obstante, não nos deveria assombrar. Como dizia São Tomás de Aquino:
=
Falta-se a misericórdia, a justiça se converte em crueldade.
=
4. Para serem pais exemplares.
Para evitar que isto possa acontecer, ou, dito positivamente, se quisermos ser pais exemplares, que ensinam e conduzam, existe um preceito cuja importância é impossível de exagerar e, ao qual, por isso, recorrerei mais de uma vez.
=

O melhor modo de se manter e fomentar a harmonia de um lar e o crescimento dos filhos consiste em:
a) Reduzir o quanto for possível o número de normas pelas quais se rege sua conduta: “tantas quanto seja necessário e tão poucas quanto seja possível”, sugere Murphy-Witt.
=
b) Fazer com que estes critérios fundamentais correspondam à verdade e à bondade objetivas, ao que é bom ou mau em si mesmo, e não a preferências ou caprichos dos cônjuges. Por conseguinte, estes preceitos serão cumpridos tanto pelos pais como pelos filhos; também, para não fazer rodeios, o uso da televisão, do computador, celulares e aparelhos semelhantes; a visão de determinados programas, o uso e não abuso de bebidas alcoólicas ou de vontades de comidas; ou, com os matizes imprescindíveis, como a hora de voltar para casa, e a de se deitar.
=
c) Conseguir que em todo o resto se respeite delicadamente a liberdade e a iniciativa das crianças, - assim como antes, as do cônjuge -, mesmo que o modo como agem, ainda que eticamente lícito, se choque frontalmente com as preferências do pai ou da mãe que, como venho repetindo, não deveria contar para nada.
=
O que importa é o bem do filho, não meus caprichos nem minhas satisfações de pai ou de mãe.
=
Em resumo, alguns poucos critérios claros - muito poucos objetivos e imutáveis - e um delicado respeito ao modo de ser de cada um.
=
5. Estabilidade
Insisto agora em que, apesar do que às vezes pensemos, e do que certas modas um tanto defasadas nos impõem as crianças e os adolescentes - mais ainda que os adultos – necessitam, de forma imperiosa, de alguns pontos de referência estáveis e sólidos. Do contrário, se tornam inseguros, vacilantes e indecisos, além de sofrerem inutilmente.
=
Estabelecer essas marcas é tarefa dos pais, que sempre devem determiná-las em função da realidade: do bem e da verdade objetivos, do que redunda em real benefício de todos, porque os ensina a amar melhor, estando mais atentos ao bem dos outros que ao próprio.
=
Do contrário, segundo recorda Murphy-Witt, as supostas normas variarão continuamente, no vai e vem do humor e da melhor ou pior forma em que se encontrem os pais. E as crianças nunca saberão a que obedecer: em lugar de contar com critérios objetivos de conduta, estarão submetidas ao capricho dos adultos.
“Afinal,” - imaginam, ainda que não pensem assim explicitamente -, “são mamãe e papai os que decidem”.
=
E os pais o farão inclusive de forma autoritária, quando não tiverem tempo ou vontade para se enredar em discussões intermináveis. Então, aquele que se declarava amigo e companheiro - fazendo concessões imprudentes e desmedidas -, transforma-se, de repente, em ditador, o que, para as crianças, é muito difícil de entender. Quem poderá estranhar que se rebelem e que não respeitem o que foi estabelecido sem levá-los em conta, e sem tampouco levar em conta o bem e a verdade?
=
Como se pode notar, também agora o perigo deriva de estarmos mais preocupados com nós mesmos do que com nossos filhos e com o que efetivamente os ajuda a serem melhores.
=
O resultado é uma flutuação contínua entre a imposição de normas rígidas e arbitrárias, quando nos sentimos com forças e disposição de ajudá-los... e o abandono mais absoluto, quando falam mais alto o cansaço, o desânimo ou a comodidade.
=
Dessa forma, - acrescenta Murphy-Witt -, acaba-se em situações de alternância entre a concessão de uma suposta liberdade progressista e o não se intrometer por comodidade!
=
E conclui:
“As crianças querem ser educadas. Para isso é necessário que também aprendam a tomar suas próprias decisões, conforme
sua idade, passo a passo, sob a orientação paterna. Quem conduzir seu filho cuidadosamente até este objetivo, poderá deixar em suas mãos, com plena e segura confiança, toda a liberdade de decisão a respeito de seus próprios interesses”.
=
As normas que se estabelecem em um lar devem responder à verdade e ao bem, objetivos, reais, não a nossos estados de humor, preferências, ilusões, indiferença ou cansaço.
======================================================================================

Catedrático de Filosofia (Metafísica)

Diretor dos Estudos Universitários em ciência para a Família - Universidade de Málaga










Igreja Presbiteriana do Brasil
O Blog " A Serviço do Senhor "
Diác. Rilvan Stutz " O Servo com Cristo "
Prof. Tomaz Malendo - Portal da Família

Rádio Rei dos Reis