Seguidores

Versículo do Momento

LEIA A BÍBLIA

quarta-feira, dezembro 24, 2014

AS CARETAS DO FELIPÃO



No penúltimo jogo da Seleção Brasileira de Futebol, contra a equipe do Chile, pudemos notar o técnico Luiz Felipe Scolari demonstrando certa irritação com os atletas. Quando transmitia alguma orientação aos jogadores, retornava balançando a cabeça como que desabafando: “assim não dá!”.

No entanto, os atletas não esboçavam melhoras. Bem ao contrário, e equipe se mostrava cada vez mais apática e perdida. Felizmente a cena não se repetiu na partida contra a Colômbia.

Deixando de lado uma análise técnica da partida, que não nos sentimos habilitados a fazê-lo, penso que podemos analisar as atitudes do líder e como ela influi em sua equipe. Muitos pais, diante de um defeito ou de uma atitude inadequada que se repete nos filhos também costumam se perder em lamentações do tipo “eu já falei mil vezes e você não me ouve!”, ou, pior ainda “eu desisto de você!”.

Diante de atitudes desse tipo convém indagar qual é a real intenção do líder. Será que ele espera de verdade que com essas reclamações os filhos se decidam motivadamente a mudar o comportamento? Ou, ao contrário, é uma simples atitude de desabafo de quem não está decidido a lutar com valentia para que os filhos melhorem?

A intencionalidade que está por detrás de toda ação educativa é fundamental. Isso se aplica muito especialmente aos pais e professores, mas também convém ser meditada por todos que exercem de algum modo autoridade. Assim, quando se busca o bem dos filhos, alunos e subordinados, assim como daqueles com quem eles convivem ou necessitam dos seus serviços, a ação do líder deve ser no sentido de motivar. Trata-se de expor o que se espera deles de uma maneira proativa, ao mesmo tempo em que se demonstra total confiança de que eles saberão corresponder.

Isso não significa que sempre se assumirá uma atitude de “passar a mão na cabeça”. Por vezes será necessário corrigir, inclusive com rigor, expondo claramente o comportamento inadequado e, principalmente, os motivos pelos quais devem emendar e mudar o comportamento. Mas sempre com aquele pano de fundo bem definido, qual seja, o desejo sincero e determinado que melhorem.

Não é fácil, porém, manter essa atitude permanente de motivar e demonstrar confiança. É frequente desanimarmos e nos perdermos em lamentações. Convém não ignorarmos, porém, que a mansidão está muito relacionada com a fortaleza, ao passo em que a grosseria e a irritação estão muitos relacionadas com a fraqueza. O forte, precisamente porque soube se dominar é manso, sabe mandar, sabe exigir, com energia, por vezes, mas sempre com respeito, comedimento e ponderação.

Em educação, como em quase tudo, ninguém dá o que não tem. Por isso, o líder deve ser sereno, confiante, que acredita na vida e que a felicidade é possível nesta vida. E por isso transmitem essa convicção. Sua mensagem deve sempre estar impregnada de confiança, por mais que as atitudes anteriores daquele que lidera pareçam não merecê-la.

As pessoas sempre podem mudar. Por isso, pais e professores não têm o direito de jamais desistirem dos seus filhos e alunos. Enquanto tiverem a missão de formá-los  e a dos pais não termina nunca – deverão alimentar a esperança de que vão melhorar, de que mesmo que seja nos derradeiros momentos da sua passagem por esta vida decidirão a trilhar os caminhos a que foram desde sempre convidados.

“Os homens como o vinho, melhoram com o tempo” dizia um grande homem. De fato, temos de confiar que nossos filhos, alunos e todos os que dependem de nós estão destinados a ser cada vez melhores. É certo que o vinho, para que fique cada vez mais refinado, precisa ficar muito bem acondicionado, além de já ser de boa qualidade. De certo modo – ainda que toda analogia seja imperfeita, todo ser humano é de excelente qualidade e espera que lhe demonstremos confiança, que lhes mostremos mais com o nosso exemplo do que com palavras que a vida vale a pena, que lhes aguarda uma imensa felicidade quando se decidirem de verdade a serem bons, por amor.



 
Diácono Rilvan Stutz
Catedral Presbiteriana do Rio de Janeiro
Fábio Henrique Prado de Toledo – Juiz de Direito 

Rádio Rei dos Reis