Seguidores

Versículo do Momento

LEIA A BÍBLIA

terça-feira, maio 11, 2010

O PERIGO DE ANBANDONAR AS ESCRITURAS

EDIFICAÇÃO

Leitura bíblica: Apocalipse 22.6 a 20
“Eis que venho sem demora. Bem-aventurado aquele que guarda as palavras da profecia deste livro.” v. 7.

=
O tempo da apostasia é chegado. Muitos têm abandonado o caminho, a verdade e a vida para seguir vãs filosofias, buscar refúgio em algum “guru” religioso ou espiritualista.

Apostasia é separação ou deserção de um corpo constituído, de uma instituição, um partido ou uma corporação aos quais se pertencia; é abandono da fé de uma igreja, especialmente da fé cristã. É um dos sinais dos tempos que aponta para a “parusia”, a Segunda vinda de Cristo, com poder e grande glória. O Manual do Culto presbiteriano diz: “São falsos e perigosos todos ensinos, usos e costumes acrescentados à simples lei do Evangelho de Cristo.” Parafraseando um pouco o nosso Manual de Liturgia.

Nós não aceitamos revelações extra bíblicas. Isto porém não significa que Deus não fale hoje, é claro que Ele nos fala pela Bíblia, pelas obras da Criação e pelas circunstâncias. O Espírito Santo, que é Deus em nós, nos guia a toda verdade, nos faz lembrar a Palavra escrita e nos leva até à Palavra viva e encarnada que é Jesus Cristo.

O tema deste Domingo menciona as falsas revelações como sendo um risco perigoso. Toda e qualquer pretensão humana de ter uma ligação direta com Deus, uma revelação particular sobre esta ou aquela pessoa ou em relação aos acontecimentos históricos, representa um risco para os remidos do Senhor. Devemos ter toda firmeza espiritual em Cristo, no Espírito de Cristo e do Pai que em nós habita. A Bíblia é a “pedra de toque” para julgar as doutrinas. Temos dito e mais diremos ainda, que a nossa doutrina é, antes de tudo bíblica, para depoi,s e só então, ser presbiteriana.


Em nossa igreja ensinamos a adultos e crianças a aceitarem a Bíblia como única regra de fé e de prática, ou seja, de doutrina e e de ética. Os que Professam a sua fé, prometem acatar as autoridades por Deus instituídas sobre o rebanho: Pastores, Presbíteros e Diáconos, enquanto permanecerem fiéis às Escrituras do Antigo e do Novo Testamentos. Analisemos as leituras deste Domingo, especialmente o Apocalipse 22.6 a 20:

I – ESTAS PALAVRAS SÃO FIÉIS E VERDADEIRAS
O epílogo da narrativa da Revelação de Jesus Cristo, no Apocalipse, reafirma o contido no Capítulo 1°, versículo 3, que diz: “Bem-aventurados aqueles que leem e aqueles que ouvem as palavras da profecia e guardam as coisas nela escritas, pois o tempo está próximo.”

Foi o próprio Senhor, o Deus dos espíritos dos profetas, quem enviou o seu anjo para mostrar (revelar) aos seus servos as coisas que em breve devem acontecer. É preciso guardar as palavras da profecia tal como ela nos foi outorgada: Dela, nada se pode retirar, sob pena do Deus eterno retirar a sua parte na árvore da vida, da cidade santa e das promessas que estão escritas neste livro. De igual forma, a esta Revelação bíblica nada se pode acrescentar. E, se alguém fizer qualquer acréscimo, Deus lhe acrescentará os flagelos escritos neste livro.

É de vital importância saber lidar com o testemunho escrito da Revelação, que é a Bíblia Sagrada. São Palavras fiéis e verdadeiras.

II. É PROIBIDO ADORAR A ANJOS
Os anjos são criaturas que estão acima do homem e abaixo de Deus. “Os anjos são os agentes secretos de Deus”. Dr. Billy Graham.

Há pessoas que surgem em nossas vidas em tempos de crise que agem como enviados de Deus, são anjos. Por mais que os amemos e nutramos tremenda admiração por eles, não podemos adorar: adorar a criatura no lugar do Criador é IDOLATRIA. E idolatria é pecado.


O vidente de Patmos foi quem recebeu, viu e ouviu revelações inefáveis por intermédio de anjos. Diz João: “E, quando as ouvi e vi, prostrei-me ante os pés do anjo que me mostrou essas coisas, para adorá-lo. Então, ele me disse: Vê, não faças isso; eu sou conservo teu, dos teus irmãos, os profetas, e dos que guardam as palavras deste livro. ADORA A DEUS.” (Ap 22.8 e 9).

III TEMAS EM DESTAQUE NO APOCALIPSE
Na conclusão do livro do Apocalipse de João, três temas se destacam. São eles:

a) A autenticidade das visões narradas – Ap 22. 6, 7,16, 18 e 19: Palavras fiéis e verdadeiras; a necessidade de se guardar e praticar as palavras proféticas; o anjo do Senhor testificou da autenticidade das revelações às igrejas; à profecia deste livro nada se pode acrescentar, dela nada se pode retirar.

b) A iminência da vinda de Cristo – Ap 22.6, 7, 10 a 12 e 20. “O anjo foi enviado para “revelar”, para mostrar as coisas que em breve devem acontecer e vão acontecer.

c) A necessidade de santidade de vida face à volta iminente do Senhor Jesus. (Ap 22. 10 e 11). Será um tempo tremendo de polarizações e de radicalizações; à luz da apostasia: Justos e injustos estarão em polos opostos.

c.1 – “Continue o injusto fazendo injustiça”. Os homens irão de mal para pior, enganando e sendo enganados. As iniquidades vão aumentar, cada vez mais. O amor se esfriará de quase todos. Os inimigos do homem serão os da sua própria casa.

c.2 - “Continue o imundo ainda sendo imundo.” O comportamento ético e a moral cristã, cederão espaço para impurezas tais, que o só referi-las já é vergonhoso. Predominarão as obras da carne, com os injustos e impuros. Diz Rui Barbosa, “que os homens terão vergonha de serem honestos.” Este será o tempo da omissão dos bons, que são uma maioria moral silente e omissa. Como exclamou Martin Luther King: “O que assusta não é a violência dos maus, e, sim, a omissão dos bons.”

c.3 - “O justo continue na prática da justiça.” Faz-nos lembrar de Noé e de Jó que eram homens íntegros e bons; mas, que viviam meio de uma geração incrédula e perversa. Ainda assim, buscavam a santidade de vida e se desviavam do mal.

c.4 - “E o santo continue a santificar-se.” Faz-nos lembrar o escritor de Hebreus 12 v. 14, quando nos diz: “Segui a paz com todos e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor.”
Deus está preparando e separando um povo exclusivamente seu, zeloso e de boas obras. Os lavados e alvejados pelo sangue do Cordeiro, entrarão na Cidade Santa pelas portas e terão acesso e direito à árvore da vida.

Agora, de fora ficarão os injustos e os imundos. Bem como os cães, os feiticeiros, os assassinos, os idólatras e todo aquele que ama e pratica a mentira.

O tempo está próximo. O Espírito e a noiva dizem: Vem! Aquele que ouve diga, Vem! E aquele que tem sede venha, e quem quiser receba de graça da água da vida.

Fiquemos firmes e inabaláveis em nossas convicções bíblicas, e longe, bem longe, das falsas revelações. Deus é fiel. Sejamos fiéis a Cristo!













Diác. Rilvan Stutz - Membro Catedral
Rev. Guilhermino Cunha - Cateral

Catedral Presbiteriana do Rio de Janeiro

Rádio Rei dos Reis